Bienal Internacional de Teatro 2013 – Realidades Incendiárias Organização: PRCEU - USP, TUSP

The Freedom Theatre

The Island

Apresentações

06.12, 07.12 e 08.12 TUSP
consulte a programação

País: Cisjordânia
Ano: 2013
Duração : 60 min.
Classificação : 18 anos
Idioma : árabe, com legendas em português
Lotação : 98 lugares

Sobre o Grupo

The Freedom Theatre é um teatro comunitário e um centro cultural no campo de refugiados de Jenin, no norte da Cisjordânia ocupada, uma das áreas mais gravemente afetadas por décadas de ocupação israelense e por conflitos internos.

Na certeza de que as artes desempenham um papel crucial na construção de uma sociedade livre e saudável, o grupo oferece um programa único de atividades em artes cênicas e multimídia, envolvendo atuação, psicodrama, teatro playback, cenografia, cinema, fotografia e escrita criativa.

Além de enfatizar o profissionalismo e a inovação, seu objetivo é capacitar jovens e mulheres da comunidade a explorar o potencial das artes como combústivel para mudanças sociais.

O Freedom Theatre nasceu do projeto Care and Learning, que usava o teatro e a arte para abordar o medo crônico, a depressão e os traumas experimentados pelas crianças no campo de refugiados de Jenin. Criado durante a primeira Intifada, no final da década de 1980, o projeto foi executado por Arna Mer-Khamis, uma revolucionária judia que dedicou sua vida a campanhas pela paz e pelos direitos humanos, especialmente na Palestina ocupada. O projeto Care and Learning foi documentado no filme Arna’s Children, dirigido pelo filho de Arna, Juliano Mer-Khamis.

O mês de abril de 2011 foi marcado por um evento devastador para o Freedom Theatre. Juliano Mer-Khamis, cofundador e diretor-geral do teatro, foi assassinado por um desconhecido inimigo da liberdade e da cultura.

Diretor/Designer Gary M. English
Elenco Ahmed Rokh e Faisal Abu Heijel
Consultoria Artística Nabil Al Raee
Movimento Micaela Miranda
Desenho de Luz Jacob Gough e Muhammed Saadi
Desenho de Som Sami Saadi

  • :

Peça de Athol Fugard, John Kani e Winston Ntshona, o drama sul-africano da era do apartheid inspirado em uma história real se passa em uma prisão claramente inspirada na famosa Robben Island, onde Nelson Mandela ficou por 27 anos preso. A peça centra-se em dois companheiros de cela – um cuja libertação se aproxima, o outro sentenciado à prisão perpétua – que passam os dias no trabalho físico entorpecedor e à noite ensaiam para uma apresentação da “Antígona” de Sófocles, que será apresentada a seus companheiros de prisão. Um assume o papel de Antígona, que desafia as leis do estado para enterrar o irmão, e o outro faz o tio Creonte, que a condena à morte por seu crime.

A peça examina os paralelos entre a situação de Antígona e dos negros presos por motivos políticos, e as tensões surgem conforme  se aproxima a apresentação, especialmente quando um dos presos descobre que ganhará sua liberdade e a profunda amizade entre eles é colocada em teste.

A produção do Freedom Theatre adapta The Island à experiência dos presos políticos palestinos, refletindo assim suas circunstâncias políticas e sociais e os abusos ocorridos dentro do sistema prisional político israelense. Os inevitáveis paralelos com o apartheid ficam evidentes no desenrolar da peça.


Originally set in a prison similar to Robben Island, South Africa, The Island focuses on two cellmates rehearsing for a performance of Sophocles’ Antigone, revealing the parallels between the situation of the Greek character and black men imprisoned there for political reasons. In the Freedom Theatre’s production, the play was adapted to the experience of Palestinian political prisoners.

The Freedom Theatre was born out of the project Care and Learning, run by Arna and Juliano Mer-Khamis, who used art to address the chronic fear, depression and trauma experienced by children in Jenin Refugee Camp, in the northern part of the occupied West Bank.


Originalmente ambientado en una prisión de Robben Island, Sudáfrica, La Isla se centra en dos compañeros de celda que hacen ensayos de Antígona, de Sófocles, y analiza los paralelos entre la situación del personaje griego y los negros allí encarcelados por razones políticas. Pero en el montaje del Freedom Theatre que aquí se presenta, la obra fue adaptada a la experiencia de los presos políticos palestinos.

El Freedom Theatre nació del proyecto Care and Learning, de Arna e Juliano Mer-Khamis, que utilizaba el arte para hacer frente al miedo crónico, la depresión y el trauma vividos por los niños en el campamento de refugiados de Yenín, en el norte de la Cisjordania ocupada.