Bienal Internacional de Teatro 2013 – Realidades Incendiárias Organização: PRCEU - USP, TUSP

Coletivo Baal

BadenBaden

Apresentações

05.11, 06.11 e 07.11 TUSP
09.11 Tenda Cultural Ortega Y Gasset
consulte a programação

País: Brasil
Ano: 2011
Duração : 70 min.
Classificação : 14 anos
Idioma : português
Lotação : 98 lugares

Sobre o Grupo

BadenBaden estreou em 2011 como resultado da disciplina de montagem teatral no curso superior de licenciatura e bacharelado em teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina (udesc-Florianópolis), permanecendo em cartaz por quatro meses no campus acadêmico.
Desse processo nasceu o Coletivo Baal, interessado em investigar as propostas do teatro brechtiano. Suas criações artísticas buscam pesquisar os sentidos das peças didáticas e o teatro contemporâneo, os usos diferenciados da arquitetura e a relação imersiva do espectador com a cena.
Vicente Concílio, ator e diretor, é doutor em teatro pela usp e professor da área de teatro-educação no Departamento de Artes Cênicas da udesc. Seu mestrado foi publicado pela Ed. Hucitec, com o título Teatro e Prisão: Dilemas da Liberdade Artística. Desde 2011, coordena a área de teatro do programa de bolsas de iniciação à docência (pibid/papes/udesc). No teatro, dirigiu as peças Baden­Baden e Le Frigô.

Elenco Emanuele Mattiello, Gabriela Drehmer, Isadora Peruch, Julia Oliveira, Julia Weiss, Naiara Bertoli, Nathalie Soler, Priscila Marinho, Thaís Carli, Vanessa Civiero

Direção Vicente Concilio
Assistência de Direção Pedro Coimbra
Texto Vanessa Civiero
Figurino Mirella Granucci, Luísa Bresolin e Alice Assal
Iluminação Ivo Godois
Repertório Sonoro Morgana Martins
Funk da Mercadoria Luísa Bresolin e Bernardo Flesch
Preparador de Tecido Acrobático Marlon Spilhere
Alegoria Fátima Costa de Lima, Emanuele Mattiello e Priscila Marinho
Material Gráfico e Projeção Camila Petersen
Produção Técnica Emanuele Mattiello e Camila Petersen
Produção Executiva Emanuele Mattiello

  • :

Inspirada em Bertolt Brecht, BadenBaden procura suscitar a reflexão sobre a morte, a renúncia, o acordo, a ajuda e a violência.
Por meio do exercício do acordo, é proposto um julgamento no qual se decidirá se quatro aviadores acidentados merecerão ajuda.
A peça estabelece um jogo vivo e sutil no qual a plateia é convidada a se posicionar durante as cenas. BadenBaden estreou em 2011 como resultado da disciplina de montagem teatral no curso superior de licenciatura e bacharelado em teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina (udesc-Florianópolis), permanecendo em cartaz por quatro meses no campus acadêmico.

Desse processo nasceu o Coletivo Baal, interessado em investigar as propostas do teatro brechtiano. Suas criações artísticas buscam pesquisar os sentidos das peças didáticas e o teatro contemporâneo, os usos diferenciados da arquitetura e a relação imersiva do espectador com a cena.
Vicente Concílio, ator e diretor, é doutor em teatro pela usp e professor da área de teatro-educação no Departamento de Artes Cênicas da udesc. Seu mestrado foi publicado pela Ed. Hucitec, com o título Teatro e Prisão: Dilemas da Liberdade Artística. Desde 2011, coordena a área de teatro do programa de bolsas de iniciação à docência (pibid/papes/udesc). No teatro, dirigiu as peças Baden­Baden e Le Frigô.


By proposing a trial to decide whether four injured pilots deserve help or not, BadenBaden evokes a reflection on death, resignation, agreement, aid and violence. The play, inspired by Brecht’s work, establishes a subtle and living game and invites the public to take a stand.
BadenBaden debuted in 2011 as the result of a discipline in the theatrical arts bachelor’s program at the Universidade do Estado de Santa Catarina (udesc). This gave birth to the group Coletivo Baal, whose creations focus on the investigation of the meanings of didactic work, contemporary theater and the immersive relationship between the viewer and the scene.


Al proponer un juicio en el que se decide si cuatro pilotos lesionados merecen ayuda, BadenBaden plantea una reflexión sobre muerte, resignación, acuerdo, ayuda y violencia. La obra, inspirada en Brecht, establece un juego vivo y sutil que invita al público a tomar una posición.
BadenBaden se estrenó en 2011 como resultado de una disciplina de la carrera de teatro de la Universidade do Estado de Santa Catarina (udesc). De su montaje nació el Coletivo Baal, cuyas creaciones buscan investigar los sentidos de las obras didácticas, el teatro contemporáneo y la relación de inmersión entre el espectador y la escena.